II Seminário da Guavira debate desenvolvimento da cadeia produtiva do fruto símbolo de MS

17.10.2019

Preservação das áreas nativas, produtividade, consumo, propriedades nutritivas da guavira, produção de mudas, desenvolvimento de receitas estão entre os desafios de pesquisadores, estudantes, coletores e agricultores que serão debatidos durante o II Seminário Estadual da Guavira.

 

Com o tema “Perspectiva para desenvolvimento da cadeia produtiva”, o evento será realizado no dia 29 de outubro, das 7h30 às 18h, no auditório do Complexo Multiuso da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, em Campo Grande.

 

A comissão organizadora é formada por representantes da Agraer, UFMS, Fiocruz, Assembleia Legislativa e Uniderp. A primeira edição do evento foi realizada no ano passado, depois que a guavira (Campomanesia spp) foi declarada fruto símbolo do estado de Mato Grosso do Sul, por meio da Lei Estadual Nº 5.082/2017, de autoria do deputado estadual Renato Câmara.

 

A pesquisadora da Agraer, Dra. Ana Cristina Araújo Ajalla, que integra a comissão organizadora, explica que o evento é um desdobramento dos debates que ocorreram no ano passado. “No primeiro seminário, fizemos uma discussão mais ampla com foco na utilização e preservação da fruta nativa. Neste ano, buscamos abordar questões mais específicas da guavira em Mato Grosso do sul e quais são as perspectivas”.

 

Serão realizadas palestras com professores e pesquisadores da UEMS, UFMS, UCDB, IFMS, Unigran, Fiocruz, UFGD, Semagro e Agraer. Na parte da manhã, será realizado o primeiro painel com o tema “Integração da Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação com a guavira no MS”.

 

A palestra “Produção de Mudas de Guavira e resultados de produtividade” será ministrada pela pesquisadora Ana Cristina Ajalla Volpe. “O objetivo é apresentar novos dados de produtividade e a importância da produção de mudas, além de divulgar o que nós temos de novas informações principalmente na área agronômica”.

 

A Agraer desenvolve projetos de assistência técnica sobre a produção da guavira em municípios como Campo Grande, Anhanduí, Terenos e Maracaju.

 

O segundo painel, a partir das 13h30, terá como tema “Experiências de negócios sustentáveis com guavira e outras plantas nativas”.

 

Entre as palestras está a “Estruturação da cadeia produtiva do Marolo em Minas Gerais”, com o Dr. Marcelo Lacerda Resende, da Universidade Federal de Alfenas (MG). “Em Minas Gerais, eles trabalham com um fruto nativo do Cerrado chamado Marolo, que tem uma característica semelhante a da guavira. É uma planta que não era cultivada, era usada de maneira extrativista, e foi feito um trabalho unindo várias instituições, desde a produção de mudas até a parte de desenvolver receitas e novos produtos”, explica a pesquisadora da Agraer.

 

Serão apresentadas ainda experiências de negócios sustentáveis no MS, como um aplicativo para identificação dos locais dos guavirais nativos, desenvolvido pela pesquisadora do IFMS, Ivilaine Pereira Delguingaro; e o relato das coletoras de guavira de Bonito, Maria Erman Soares e Camila Erman.

 

Durante o evento, a Semagro e a Fiocruz vão apresentar a Câmara Setorial de Plantas Nativas, proposta no seminário do ano passado, e que deve ajudar na elaboração de políticas públicas e projetos para o desenvolvimento da cadeia produtiva da guavira no Estado.

 

“A Câmara Setorial envolve vários segmentos da sociedade, produtor, pesquisador, indústria e sociedade civil, e será importante para organizar a cadeia produtiva e para que o Estado saiba como pode auxiliar todo esse processo”, esclarece Ana Ajalla.

 

II Seminário Estadual da Guavira

Data: 29 de outubro de 2019, das 7h30 às 18h

Local: UFMS - Complexo Multiuso - Auditório - Vila Olinda, Campo Grande - MS

Informações pelo e-mail: guavirams@gmail.com ou pelo telefone 67 3326-4063

Inscrições: https://bit.ly/2pKdjLv

 

Confira a programação completa abaixo:

Por: Assessoria de Comunicação do Sinterpa 

Fotos: Ana Ajalla/Agraer

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Siga
  • Facebook B&W
  • Google+ B&W

Posts Sinterpa