Posts Sinterpa

Assentamento rural colhe cultivar de soja orgânica da Embrapa


A primeira colheita de soja orgânica realizada em assentamento rural no Mato Grosso do Sul aconteceu esse ano, no Assentamento Itamarati, município de Ponta Porã. A lavoura com 14ha de soja BRS 511, pertence ao produtor Djones Marcos Ambrust (Tigrinho).


O trabalho foi acompanhado pela Cooperativa dos Agricultores Familiares da Itamarati (Cooperafi), através do agrônomo Ariovaldo Ciriaco (Zezinho). Contou ainda com o apoio técnico do agrônomo da Agraer, Rogério Franchini e suporte da equipe da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados/MS).


“Desde novembro estou me dedicando a essa atividade, fazendo o manejo e usando controle biológico. Meu desafio de produzir grãos orgânicos foi iniciado com a cultura da soja ano passado. Mas, é uma grande satisfação chegar aqui na colheita, podendo produzir alimentos e ainda ajudar o meio ambiente”, disse Tigrinho. Ele acrescentou que está satisfeito com os resultados e agradeceu o apoio das instituições envolvidas, informado “alguns companheiros, aqui do assentamento, estão animados com os resultados e estão dispostos a participar desse desafio também”.


Ele destacou ainda que dificuldades existem, especialmente por se tratar da primeira experiência de cultivo de soja orgânica no assentamento, mas que foram superadas. O agricultor familiar ressaltou a importância da dedicação diária no cuidado com a lavoura e explicou “exige de mão de obra para a limpa da planta, mas os insetos foram bem controlados com o uso dos biológicos e conseguimos controlar”.


O Chefe Adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da Unidade, Walder Antonio Gomes De Albuquerque Nunes ressaltou o interesse da instituição na continuidade do acompanhamento técnico dessa iniciativa e explicou “através dessa iniciativa pretendemos atualizar o Sistema de Produção de Soja Orgânica, já que houve alteração nos materiais genéticos disponíveis, nas doenças e pragas que atingem a cultura” Segundo ele, a soja orgânica também é interessante, pois o valor pago é diferenciado em relação as demais variedades do grão.


O Diretor-Executivo da Agraer, Fernando Nascimento, chamou atenção para o caráter histórico da iniciativa e acrescentou a importância de “colocar um produto diferenciado no mercado, cuja demanda cresce a cada dia, além de benefícios que o solo e os recursos hídricos receberão, com a redução do uso de produtos químicos, favorecendo a microfauna do solo e a qualidade dos mananciais”.


O pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste Milton Parron Padovan ressaltou a importância dessa iniciativa que vai contribuir com a melhoria da renda dos produtores no longo prazo. “É um salto para qualidade de vida tanto das famílias assentadas quanto da empresa que vai adquirir esses grãos. A perspectiva de cultivo de milho e aveia, além da soja, é um processo que está se consolidando na região e que contribui com a diversificação da produção e com o meio ambiente”, acrescentou Padovan.


“A produção de grãos orgânicos em assentamento rural é um grande desafio, porém é uma excelente oportunidade para a Embrapa, que pode atender as demandas da agricultura familiar e estar ainda mais próxima desses produtores”, concluiu ele.


Manejo

“Na área do Assentamento Itamarati a soja foi antecedida por milho em plantio convencional, razão pela qual a soja é considerada em processo de transição para o sistema orgânico, mesmo cumprindo todas as normas para a certificação orgânica”, explica o pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, Rodrigo Arroyo Garcia.


Ele informa ainda que o preparo da área foi realizado com grade pesada, subsolador e grade niveladora. E acrescenta que a fertilização contou com mil quilos de organomineral farelado, aplicado a lanço e quinhentos quilos de organomineral aplicado no sulco de plantio.


“A variedade cultivada foi a soja BRS 511, cultivar de soja convencional, desenvolvida pela Embrapa, que alia alta produtividade com inovação. A BRS 511 foi desenvolvida pela Embrapa Soja, em parceria com a Fundação Meridional. É uma variedade convencional, sem evento transgênico, mas que apresenta resistência à ferrugem asiática (tecnologia Shield) e com bom potencial produtivo”, salienta Arroyo.

Ele acrescenta ainda que a lavoura não apresentou problemas sérios em seu desenvolvimento, ocorrendo alguma infestação de mancha-alvo em seu final, mas sem comprometer a produtividade da lavoura que foi compatível a média da região em sistemas de produção convencionais.


Arroyo informa ainda que no decorrer do ciclo da cultura foram utilizados produtos considerados de baixo custo, como as caldas bordalesa e sulfocálcica, para prevenção e controle de doenças, além de produtos biológicos para prevenção e controle de doenças, solubilizante de fosfatos, promotor de crescimento e controle de pragas como lagartas, cigarrinhas, percevejo e mosca branca.


A produção será vendida à empresa Argomil (Avaré/SP), que necessita de ingredientes orgânicos para formular ração para aves na produção de ovos orgânicos.


Perspectivas

Para a próxima safra de soja, a previsão é que sejam cultivados cerca de 100 ha de soja no sistema orgânico, incluindo as áreas dos assentamentos de Ponta Porã e Sidrolândia.


Nunes informa ainda que a Embrapa Agropecuária Oeste continuará a subsidiar a assistência técnica, buscando soluções técnicas para eventuais problemas e explica “podemos recorrer tanto aos pesquisadores locais quanto a uma ampla rede de pesquisa disponível no Brasil”.


Ele acrescenta ainda que a Unidade pretende realizar o levantamento de custos e a análise da viabilidade econômica, a partir dos dados fornecidos pelo produtor e pela assistência técnica para contribuir com a viabilidade e sucesso da atividade produtiva no assentamento rural estadual.


Texto: Christiane Congro/Embrapa Agropecuária Oeste

Foto: Carlos Lasaro Pereira de Melo/Embrapa

Siga
  • Facebook B&W
  • Google+ B&W
Posts Recentes